sábado, 21 de janeiro de 2012

Anime da Semana - Guilty Crown




Podendo ser classificado como Shonen, mas sem fazer das batalhas o seu foco, Guilty Crown conta a história de Ouma Shu, um garoto introvertido, sem vontade e sem talento que acaba se envolvendo em uma guerra entre agentes do Estado que supostamente defendem seu povo contra um grupo supostamente terrorista.

A história inicial:

Ouma Shu

No 24 de dezembro de 2029 o Japão foi atacado pelo víru Vírus Apocalípse, evento que futuramente foi nomeado de Natal Perdido, que deixou o país acabado, . Após esta data o país  passou a ser controlado pela organização internacional GHQ, já que não tinha força suficiente para ser independente.

Yuzuhira Inori
A história do anime começa dez anos depois, tendo como personagem principal Ouma Shu, um estudante de 17 anos que não tem lembranças do Natal Perdido. Indeciso e introvertido, Shu não chama muita atenção por onde passa. Certo dia ele encontra a famosa cantora Yuzuhira Inori machucada e dizendo coisas estranhas como: encontrar um certo Gai e lhe entregar um objeto guardado dentro do robô que a acompanhava.. Em pouco tempo agentes da GHQ chegam, levando-a como prisioneira, já que era acusada de participar do grupo terrorista Undertaker.

Agentes da GHQ

Mesmo não reagindo, a garota sofre perante a violenta ação dos agentes enquanto o medroso Shu apenas observava, paralisado pelo medo. Por causa da pressa em levá-la, o robô foi esquecido e. através dele o garoto teve acesso ao objeto citado por Inori, guardado junto ao corpo, e a localização da pessoa que o receberia. Chegando no local correto descobre que o estava em busca de Tsutsugami Gai, lider dos Undertaker, que ao saber do abandono de Inori  fica bravo, mesmo assim dá a Shu a chance de se redimir e salvá-la.

Tsutsugami Gai

Sem nenhum talento ou trunfo ao seu lado, ele segue firme em direção a Inori. Ao encontrá-la, a vê diante do perigo e corre para ajudar, mas acaba quebrando o objeto que guardava. Desta forma acaba ganhando um estranho poder. Shu agora pode retirar das outras pessoas os seus respectivos Voids, objetos poderosos cujas habilidades são únicas, variando de acordo com a personalidade.

Shu retirando o void de Inori

Poderíamos pensar que tudo se resolvaria por causa deste fato, mas esta não é a realidade. Poder nem sempre trás confiança, pode trazer desconfiança também. Em quem confiar? A princípio no poder do Estado, mas a sua recente experiencia não fazem deles os mocinhos. Do outro lado temos os Undertakers que, apesar do rótulo de terroristas, se mostraram mais amáveis e bondosos. Ainda há um problema mais interno: Como Shu irá usar seus poderes para livrar o Japão do mal, independente do que considerar mal, sem confiar na sua capacidade para isto.



Detalhes:

Feita pelo estúdio Production I.G., esta obra, diferentemente de muitos outros, não é uma adaptação de um mangá. Exibida inicialmente em outubro de 2011, ganhando um mangá um mês depois e com um jogo (Visual Novel) previsto para este ano, provavelmente estas três coisas foram planejadas simultaneamente.


Conclusão:

Deixando uma dúvida a cada resposta, o anime não deixa muitas pistas sobre o seu final. Com uma arte bonita e, até certo ponto, realista, Guilty Crown mostra que bom anime também deve ser bom nos detalhes,  podendo ainda citar a boa trilha sonora. Acho que falei tudo o que poderia dizer sem estragar a experiência como espectador. Espero que ao menos um de vocês goste do anime, caso contrário isto terá sido em vão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...